Saiba agora as diferenças entre alimentos in natura, processados e ultraprocessados!

Saiba agora as diferenças entre alimentos in natura, processados e ultraprocessados!

Vivemos com uma abundância incrível de alimentos, mas ao mesmo tempo, não sabemos direito o que comer, não é? Antigamente, tudo era mais simples e caseiro quando se tratava de alimentação. Hoje, temos muitos alimentos prontos e já higienizados, o que facilitam e MUITO nossa vida na cozinha. Mas será que sabemos distinguir corretamente alimentos in natura ou minimamente processados de alimentos ultraprocessados? Um vegetal congelado é o mesmo que uma lasanha congelada? OPA! Já posso adiantar que são dois tipos de alimentos BEM diferentes! Quer saber?

Quais são as diferenças entre alimentos in natura, processados e ultraprocessados?

Para esclarecer estes conceitos importantes, vamos utilizar a definição de alimentos, segundo o Guia Alimentar para a População Brasileira (2014):

Alimentos In natura

Alimentos in natura são essencialmente partes de plantas ou de animais. Exemplo: carnes, verduras, legumes e frutas e se caracterizam por serem adquiridos para o consumo sem que tenham sofrido qualquer alteração após deixarem a natureza. Como tendem a se deteriorar muito rapidamente, esta é a principal razão para que sejam minimamente processados antes de sua aquisição.

Alimentos Minimamente Processados

Correspondem a alimentos in natura que foram submetidos a alterações mínimas como processos de limpeza, remoção de partes não comestíveis ou indesejáveis, fracionamento, moagem, secagem, fermentação, pasteurização, refrigeração, congelamento e processos similares que não envolvam agregação de sal, açúcar, óleos, gorduras ou outras substâncias ao alimento original. Exemplos: arroz, feijão, lentilhas, cogumelos, ovos, chá, café, frutas secas e sucos de frutas sem adição de açúcar ou outras substâncias; cortes de carne resfriados ou congelados e leite pasteurizado; vegetais congelados; castanhas e nozes sem sal ou açúcar; farinha de mandioca, de milho, de tapioca ou de trigo e massas frescas. Os alimentos in natura ou minimamente processados são a base para uma alimentação nutricionalmente balanceada, saborosa, culturalmente apropriada e promotora de um sistema alimentar socialmente e ambientalmente sustentável.

Alimentos Processados

Alimentos fabricados pela indústria com adição de sal ou açúcar (ou outra substância de uso culinário como óleo ou vinagre) para aumentar a sua duração e torna-los mais agradáveis ao paladar. Exemplos: conservas em salmoura (cenoura, pepino, ervilhas, palmito); compotas de frutas; carnes salgadas e defumadas; extrato ou concentrados de tomate (com sal e ou açúcar); sardinha e atum de latinha, queijos e pães feitos de farinha de trigo, leveduras, água e sal. Limite o uso destes alimentos processados, consumindo-os, em pequenas quantidades, como ingredientes de preparações culinárias ou como parte de refeições baseadas em alimentos in natura ou minimamente processados, por alterarem de modo desfavorável a composição nutricional dos alimentos dos quais derivam.

Alimentos Ultraprocessados

São formulações industriais, em geral, com pouco ou nenhum alimento inteiro. Feitas inteiramente ou majoritariamente de substâncias extraídas de alimentos (óleos, gorduras, açúcar, amido, proteínas), derivadas de constituintes de alimentos (gorduras hidrogenadas, amido modificado) ou sintetizadas em laboratório com base em matérias orgânicas como petróleo e carvão (corantes, aromatizantes, realçadores de sabor e vários tipos de aditivos usados para deixar os produtos sensorialmente mais atraentes). Exemplos: biscoitos, sorvetes, balas e guloseimas em geral, cereais açucarados, bolos e misturas para bolo, barras de cereal, sopas, macarrão e temperos ‘instantâneos’, molhos, salgadinhos “de pacote”, refrescos e refrigerantes, iogurtes e bebidas lácteas adoçados e aromatizados, bebidas energéticas, produtos congelados e prontos para aquecimento como pratos de massas, pizzas, hambúrgueres e extratos de carne de frango ou peixe empanados do tipo nuggets, salsichas e outros embutidos, pães de forma, pães para hambúrguer ou hot dog, pães doces.

Evite alimentos ultraprocessados devido à composição nutricional desbalanceada que favorece doenças do coração, diabetes e vários tipos de câncer, além de contribuir para aumentar o risco de deficiências nutricionais e obesidade (pelo consumo excessivo de calorias).

Na prática, como distinguir alimentos ultraprocessados de alimentos processados?

Dê uma espiada na listinha de ingredientes! Um número elevado deles (cerca de cinco ou mais) e, sobretudo, nomes pouco familiares e não usados em preparações culinárias (gordura vegetal hidrogenada, xarope de frutose, espessantes, emulsificantes, corantes, aromatizantes, realçadores de sabor e vários outros tipos de aditivos) indicam que o produto pertence à categoria de alimentos ultraprocessados.

Agora que você já sabe as diferenças entre cada tipo de alimento, capriche na qualidade da sua escolha alimentar! Priorize o consumo de alimentos in natura ou minimamente processados para garantir um corpo bem nutrido e feliz. Acesse este link e descubra como ter uma alimentação saudável sem tempo! E se ficou com alguma dúvida, deixe aqui embaixo nos comentários!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *